(41) 3286-6442 | (41) 3286-9954

Cerâmicas e Porcelanatos

Ponta de Estoque – Porcelanato Crema Valência Polido 60×60 Cerâmicas e Porcelanatos Pisos

Aproveite!

Ponta de estoque do Porcelanato Crema Valência Polido no tamanho 60×60 da Portinari.

[ENQUANTO DURAR O ESTOQUE]

Mais informações (41) 3286-9954

Aproveite! Porcelanato 90×90 Portinari Downtown Polido Cerâmicas e Porcelanatos Pisos

Ponta de Estoque do Porcelanato Downtown HD AL POL tamanho 87,7×87,7 marca Portinari.

 

 

 

Atenção: [ENQUANTO DURA O ESTOQUE]

 

 

 

 

Mais informações: (41) 3286-9954

 

Limpeza de Porcelanatos Cerâmicas e Porcelanatos Limpeza e Conservação

Terminou a sua obra e tem algumas dúvidas sobre a limpeza do seu Porcelanato? A Portinari Revestimentos Cerâmicos listou algumas delas com respostas que lhe ajudarão neste momento.

Como fazer a limpeza do porcelanato pós-obra?

Para a remoção de rejunte à base de cimento e argamassa recomenda-se utilizar vinagre branco em até 30 minutos após aplicação do rejunte. Ele dissolve o excesso destes produtos num tempo médio de 15 minutos. Em seguida, basta passar uma esponja (de preferência esponja azul especial para cristais, para não riscar) com um pouco de saponáceo em pó, enxaguar com bastante água e secar com um pano limpo. Para a remoção de impermeabilizantes ou cera, a indicação é detergente neutro, ou os removedores de cera próprios para esta finalidade, existentes no mercado. Nunca utilize produtos que contenham ácido para tentar limpar revestimentos cerâmicos, pois atacam quimicamente o produto. Obs.: Em qualquer tipologia de produto não se deve utilizar sabão em pó, pois cria uma película e facilita a aderência de sujeiras.

O que é ataque químico no porcelanato?

Embora os revestimentos possuam alta resistência, o ataque químico é um desgaste ou corrosão provocada pelo uso inadequado de materiais de limpeza. Este processo torna o revestimento poroso, causando perda de brilho e manchas foscas, tanto pontuais quanto em sequência. O ataque químico é irreversível. A solução é a remoção e a substituição das peças danificadas.

Pode utilizar Água Sanitária em porcelanatos?

A água sanitária é um produto de limpeza muito popular principalmente na manutenção de banheiros e cozinhas. Contudo, se a água sanitária for utilizada pura vai atacar quimicamente manchando o revestimento cerâmico. Para a limpeza geral do ambiente com água sanitária é necessário diluir na proporção 3 por 1, ou seja, 3 litros de água para 1 litro de água sanitária, por exemplo. A água sanitária só pode ser utilizada diluída nesta proporção, pois pura ela ataca o revestimento.

Como fazer a limpeza diária do porcelanato?

Os revestimentos cerâmicos são sinônimos de praticidade e facilidade de manutenção. Para a limpeza diária, recomenda-se primeiramente fazer a limpeza a seco, aspirando ou varrendo e em seguida limpar com água e detergente neutro. Em casos de sujeiras de difícil remoção pode-se utilizar saponáceo cremoso. Os revestimentos cerâmicos podem apresentar diversos tipos de manchas, sendo possível removê-las com o uso do produto adequado para cada mancha. No quadro a seguir, são listados alguns exemplos para facilitar a limpeza de acordo com a origem da mancha:

Como remover a cera protetora dos porcelanatos polidos?

A cera tem como objetivo a proteção da superfície polida do porcelanato. Durante o assentamento do produto podem ocorrer agressões devido à areia, rejunte sujeiras externas, etc. A cera é aplicada após o processo de polimento sobre a superfície, deixando uma fina camada que torna a superfície fosca. Ela deve removida somente após o produto assentado e rejuntado, e após a finalização de toda a obra. A remoção da cera vai resgatar o brilho do porcelanato. A remoção da cera pode ser feita diretamente com limpa vidros ou detergente neutro, esfregando o produto com uma esponja para cristais (azul). Alguns porcelanatos polidos possuem uma película protetora plástica, ao invés da cera. Nestes casos, basta retirar o plástico e, em seguida, realizar a limpeza com detergente neutro ou um pano embebido em álcool.

Fonte: Cerâmicas Portinari

Cerâmicas: Na hora da Compra Cerâmicas e Porcelanatos

– Qual a diferença entre porcelana e porcelanato?

A cerâmica tradicional é composta de uma mistura de argilas que passa pelos processos de prensagem ou de extrusão e é queimada a até 1 150 0 C. Depois da prensa, as placas são secas e podem receber esmalte (decoração). Se elas forem extrudadas a vácuo, retira-se o excesso de umidade da massa, facilitando a criação de formas diferenciadas. Já o porcelanato tem materiais mais nobres (como o feldspato), queimados a temperaturas superiores a 1 200 0 C. Ele é tecnicamente superior, pois oferece elevada resistência mecânica, química e baixa porosidade (menos suscetível a manchas).

– Que tipos de porcelanatos existem?

O técnico (com superfície polida ou natural) tem absorção de água menor ou igual a 0,1%. No esmaltado, esse índice é menor ou igual a 0,5%. Quanto mais baixo for o número, menor a porosidade e maior a resistência mecânica e à abrasão. Esse é o caso dos técnicos, divididos em dois grupos. “Nos semipolidos, ou acetinados, o processo não chega ao polimento completo, portanto não há brilho”, explica Lilian Lima Dias, do Centro Cerâmico do Brasil (CCB). Já os polidos trazem um brilho que oferece a sensação de amplitude, mas são mais escorregadios. Esse tipo tem maior suscetibilidade a manchas se comparado aos anteriores. “Em sua superfície pode existir microporosidade, que surge pela ação do polimento”, diz Eduardo Quinteiro, do CCB. Se a ideia for comprar uma peça rústica, tanto os técnicos quanto os esmaltados dispõem desse acabamento. “Ele oferece maior resistência ao escorregamento, mas dificulta a limpeza”, alerta Ana Paula Menegazzo, do CCB.

– O que usar em cozinhas e banheiros?

Primeiro, é preciso saber o significado de coeficiente de atrito (marcado na embalagem), que mede a resistência ao escorregamento. Quanto maior ele for, mais rugoso é o revestimento. Em locais internos sujeitos ao contato com água, a norma brasileira recomenda coeficiente de atrito igual ou maior que 0,4. Em áreas externas molhadas com rampa, prefira cerâmicas com coeficiente de atrito superior a 0,8.

– Como eleger uma peça durável?

Para que cerâmicas ou porcelanatos sejam duráveis, a escolha tem de ser adequada às solicitações de uso do local. “A especificação correta está relacionada a propriedades como absorção de água, resistência a cargas, entre outras”, esclarece Ana Paula, do CCB. Associa-se erroneamente a qualidade do produto com a resistência à abrasão do esmalte (PEI). “Ele não garante a durabilidade da peça, mas pode ser um recurso para a especificação correta com relação ao tráfego de pessoas”, diz ela. Em salas e cozinhas de alto tráfego, eleja PEI igual ou maior que 4. Num banheiro, com trânsito baixo de pessoas, basta PEI igual ou maior que 2.

 

Fonte da Matéria: http://casa.abril.com.br/materia/9-perguntas-e-respostas-sobre-ceramicas-e-porcelanatos